Ações de combate à exploração sexual infantil acontecem nesta sexta-feira, na Praça João Pinheiro


Programação incluirá apresentações artísticas, dos mascotes da campanha, entrega de panfletos e lançamento de jornal

Em comemoração ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de maio), a Prefeitura de Muriaé e o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) vão realizar na próxima sexta-feira (24), na Praça João Pinheiro, Centro, uma ação para alertar, mobilizar e conscientizar profissionais da área e sociedade para a temática.

O evento aconteceria no último sábado, porém, devido à chuva que caiu na cidade naquele dia, foi transferido para esta sexta-feira.

A programação da campanha “Faça Bonito” começa às 8h e incluirá apresentações artísticas e dos mascotes da campanha, Aninha e Kaká, e entrega de panfletos. Haverá ainda distribuição de pipoca e algodão-doce e o lançamento do jornal “Socializando”, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social que conta com o financiamento do Fundo da Infância e da Adolescência (FIA). A proposta do jornal e dar visibilidade às ações desenvolvidas sobre temáticas que envolvem a infância e a juventude no município.

A campanha se estenderá durante todo o ano em Muriaé, com atividades de alerta e prevenção em eventos como Ações Comunitárias e edições do “Prefeitura no seu Bairro”.

A data – Em 18 de maio de 1973, uma menina de 8 anos chamada Araceli foi sequestrada, violentada e assassinada no estado do Espírito Santo. O corpo dela foi encontrado seis dias depois de seu desaparecimento e seus agressores, identificados como jovens de classe média alta, nunca foram punidos. Por ter sido um acontecimento que chamou a atenção de todo país, o dia 18 de maio foi definido como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

A Campanha “Faça Bonito” de 2019 tem como slogan “Proteger é coisa nossa!” e como símbolo uma flor, como uma lembrança dos desenhos da primeira infância, além de associar a fragilidade de uma flor com a de uma criança. Ela tem o objetivo de chamar a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenir e enfrentar o problema da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes no Brasil.