CAPS de Muriaé recebe visita de municípios da região


CAPS de Muriaé recebe visita de municípios da região

 
 
00:00 /
 
1X
 

Serviço de Saúde Mental é considerado referência para cidades vizinhas; equipe de Viçosa está conhecendo estrutura e atendimento aos pacientes

Referência em Saúde Mental na região, o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD III) está recebendo nesta semana a visita técnica da equipe de Viçosa. O objetivo é conhecer a estrutura e a forma de atendimento aos pacientes em sofrimento mental usuários de álcool e outras drogas.

“Estamos sendo reconhecidos como um CAPS de referência em cuidados de saúde mental, por isso temos recebido equipes de diversas cidades para saber como são realizados nossos atendimentos e estilo do nosso trabalho”, frisa a referência em Saúde Mental de Muriaé, Cintia Muglia.

Os profissionais chegaram a Muriaé nesta segunda-feira (23) e terão representantes durante a semana para conhecer melhor a estrutura e a prestação do serviço, a fim levar a experiência para aquela cidade, que está se preparando para implantar um CAPS AD.

“Há um tempo estamos trabalhando na implantação do CAPS AD em Viçosa e temos procurado um município estruturado em saúde mental. Tivemos a grata surpresa de saber que Muriaé, perto da nossa cidade, seria essa referência para nós, por prestar um serviço muito bom nessa área, tanto na intervenção quanto no suporte para familiares dos pacientes. Queremos aprender, e aprender com quem já está com um serviço funcionando muito bem, como é o caso de Muriaé”, relata Cida de Paula, chefe do Departamento de Redes de Atenção à Saúde de Viçosa.

Visitas de outros municípios como Cataguases e Ponte Nova estão sendo programadas para acontecer em breve.

Vinculada à Secretaria Municipal de Saúde, a Saúde Mental de Muriaé compreende o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II), o CAPS AD III e a Unidade de Acolhimento Adulto, que funciona 24 horas por dia e é um suporte ao tratamento, servindo como moradia temporária para pessoas com vínculos familiares fragilizados e em situação de rua. O serviço atende atualmente cerca de 400 pacientes por mês.