Muriaé registra redução do índice de infestação do Aedes aegypti


O primeiro Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) do ano aponta uma redução na quantidade de áreas em situação de risco em comparação com o último levantamento de outubro do ano passado. O índice caiu de 1,8% para 1,2% em janeiro, o que representa a diminuição da possibilidade de epidemia causada pelo mosquito.

O LIRAa foi realizado entre 21 a 25 de janeiro e divulgado nesta sexta-feira pela Prefeitura de Muriaé, através da Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde. Este índice de 1,2% está bem próximo ao índice 1%, que é considerado de “baixo risco” pelo Ministério da Saúde, porém ainda mantém o município em estado de alerta. O percentual é menor do que o registrado em cidades da região como Ubá (7,4%) e Juiz de Fora (3,7%), por exemplo.

Apesar da redução, a Prefeitura orienta que os muriaeenses continuem atentos para o combate de focos do mosquito em suas residências, como ralos, vasos sanitários e vasos de flores, e tenham uma atenção especial para a disposição correta de seu lixo – a maioria dos focos foi encontrada em lixo, entulhos ou materiais que poderiam ter sido reciclados. Em Muriaé, os bairros que apresentaram maior número de focos foram o Centro e o Santo Antônio.

“Estamos permanentemente atentos quando se trata da dengue, zika e chikungunya, realizando ações de prevenção. Mas é muito importante que os muriaeenses continuem envolvidos no combate ao mosquito”, diz o prefeito Grego.

Recicla Mania – Tendo em vista que 32% dos focos encontrados em Muriaé em 2018 durante o trabalho dos agentes foram em lixos dispostos incorretamente, a Prefeitura está lançando o Projeto Recicla Mania, que será implementado em 45 escolas do município entre abril e outubro.

O objetivo é conscientizar as crianças – consideradas importantes multiplicadoras do conhecimento – sobre a importância da correta disposição do lixo para prevenir doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Além disso, a iniciativa visa incentivar a coleta seletiva, que contribui para diminuir os focos do mosquito.

“Acreditamos que a queda do LIRAa esteja ligado à maior conscientização dos muriaeenses obtida através de mobilizações e projetos de educação ambiental, como o ‘Conhecer para Combater’, além do aumento no número, em 2018, da equipe de agentes de controle de endemias, ampliação das visitas domiciliares e capacitação, valorização e atualização dos agentes”, afirma a diretora da Saúde Ambiental da Prefeitura de Muriaé, Carla Morcerf.

O que fazer em caso de suspeita – Em caso de suspeita de doenças transmitidas pelo Aedes, a orientação é procurar imediatamente uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da residência, para que seja feito o bloqueio.

Já quem for à rede particular deve pedir ao médico para que faça uma notificação de suspeita de dengue e envie à Secretaria Municipal de Saúde o formulário que está disponível no site do Ministério da Saúde. Com a notificação, o cidadão também terá atendimento prioritário, além de poder fazer exames de forma gratuita.

Denúncias e orientações podem ser feitas e solicitadas pelo telefone 3729-1301.